ABRIU O CORAÇÃO

Silvia Abravanel diz que trabalho no SBT estava ‘atrapalhando’ sua vida pessoal

A apresentadora revelou a necessidade de uma conversa séria com Silvio Santos para definir limites na relação pessoal e profissional com o pai

Bruno Pinto
Repórter do EM OFF

Para grande parte da sociedade, ser filho de um empresário bem-sucedido significa facilidade e uma excelente oportunidade profissional. Entretanto, para Silvia Abravanel, ser herdeira e funcionária de Silvio Santos acabou causando um conflito na relação entre eles. Por conta disso, a apresentadora revelou ter sido necessário uma conversa séria com o Homem do Baú.

A filha número dois do dono do SBT contou que teve um momento de sua vida em que precisou tomar uma atitude drástica com o objetivo de preservar sua relação com Silvio Santos: “Estava atrapalhando meu relacionamento interpessoal com o meu pai. Eu pedi a ele que me tratasse como funcionária da porta para dentro e como filha da porta para fora”, contou a apresentadora em entrevista concedida ao portal UOL.

Recentemente, em meio a uma grande crise de audiência, o SBT bateu o martelo e decidiu extinguir o “Bom Dia & Cia”, o que acabou gerando surpresa e indignação em algumas pessoas. De acordo com Silvia, diversos telespectadores cobram o retorno da atração infantil: “Muita gente está pedindo. Eu me tornei a mãe do Brasil, a babá do Brasil. Era o momento que elas tinham para cuidar da casa, dar atenção para outras coisas”.

Além do público, Silvia revelou que também sente saudade do programa que comandava diariamente e disse estar torcendo para que o pai e os executivos coloquem o “Bom Dia & Cia” novamente na grade da emissora paulista em breve: “A gente entregou nas mãos de Deus, para que ele toque a direção do SBT e a gente possa voltar para as manhãs”, comentou a filha número dois do veterano.

Por fim, Silvia Abravanel falou sobre a resolução nº 163, que aborda a abusividade do direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança e ao adolescente: “Essa lei prejudicou, porque as crianças que têm condição vão para o streaming e para a TV paga, mas as que não têm ficam só no celular e na internet… Linguagem de internet é aquela bagunça e você não consegue triar de verdade o que a criança está vendo. Na televisão, criança via e brincava com coisas de criança”.